Moral e ética, não desenvolvem com o nascimento de milhões. A genética predomina

Temos uma hipocrisia no serviço público, como na ditadura, onde existiu uma campanha para o crescimento do país. Vamos ter filhos. Aumentando a população o país estaria no primeiro mundo. Pagaremos para que vocês tenham filhos. Eles acreditavam que: Existem 01 Caetano Veloso, 01 Gilberto Gil, 01 Chico Buarque e 01 Carlos Drumond de Andrade. Nascendo dez milhões de habitantes em nosso país, teremos mais de 100.000 Caetanos e 200.000 Carlos Drumont, etc. O país ficou populoso, mas sem qualidade, é coerente nascer “gênios” de uma população pobre e sem cultura? E a nossa genética? Somos horríveis e assim, não teremos descendentes nobres… Os fiscais, falo deles por conhecimento, por falta de pessoas com dignidade e caráter, inclusive cultura, são apanhados ao laço. Este trabalho deveria ser distribuído a pessoas com ética e principalmente cultura, mas como? De acordo com o crescimento desordenado da população pobre, sem conhecimento do que seja: Social, espiritual e intelectual. Com o número de vagas crescentes a cada dia nos órgãos públicos, para atender o forçado crescimento, teremos: Juízes, promotores, delegados, fiscais e procuradores, em ordem decrescente de ética e moral ou seja: Uma catástrofe.

A luta do estado para inibir um bom funcionário:

Posted in: Justiça.
Last Modified: fevereiro 2, 2014

Leave a reply

required